Início » Linfadenectomia Retroperitoneal: Um Guia Completo

Linfadenectomia Retroperitoneal: Um Guia Completo

A linfadenectomia retroperitoneal é um tipo de cirurgia que consiste na remoção dos gânglios linfáticos localizados na região do retroperitônio, que é o espaço entre o peritônio (a membrana que reveste a cavidade abdominal) e a parede posterior do abdômen. 

Os gânglios linfáticos são pequenos órgãos que fazem parte do sistema imunológico e que filtram a linfa, um líquido que circula pelo corpo e que contém células de defesa, nutrientes e resíduos.

Indicações Médicas para a Linfadenectomia Retroperitoneal

A principal indicação médica para a realização da linfadenectomia retroperitoneal é o tratamento do câncer testicular, que é um tipo de tumor maligno que se origina nos testículos, as glândulas sexuais masculinas responsáveis pela produção de espermatozóides e de testosterona. 

O câncer testicular pode se espalhar pelo corpo através dos vasos sanguíneos ou linfáticos, atingindo principalmente os gânglios linfáticos do retroperitônio.

A linfadenectomia retroperitoneal tem como objetivo remover os gânglios linfáticos afetados pelo câncer testicular, evitando que as células tumorais se disseminem para outros órgãos ou tecidos. 

A cirurgia também pode servir para confirmar o diagnóstico e o estadiamento do câncer testicular, ou seja, para determinar o grau de extensão e de agressividade do tumor.

A linfadenectomia retroperitoneal pode ser indicada em diferentes situações, dependendo do tipo e do estágio do câncer testicular. Algumas dessas situações são:

  • Após a orquiectomia radical, que é a cirurgia de remoção do testículo afetado pelo câncer. A linfadenectomia retroperitoneal pode ser realizada como uma medida preventiva (linfadenectomia profilática) ou como uma medida terapêutica (linfadenectomia terapêutica), dependendo dos resultados dos exames de imagem e dos marcadores tumorais.
  • Após a quimioterapia ou a radioterapia, que são tratamentos que usam medicamentos ou radiação para destruir as células cancerígenas. A linfadenectomia retroperitoneal pode ser realizada para remover os gânglios linfáticos residuais ou persistentes após esses tratamentos (linfadenectomia pós-quimioterapia ou pós-radioterapia).
  • Em casos de recidiva ou de resistência ao tratamento, ou seja, quando o câncer testicular volta a crescer ou não responde aos tratamentos convencionais. A linfadenectomia retroperitoneal pode ser realizada para tentar controlar a doença e melhorar a sobrevida dos pacientes (linfadenectomia de resgate).

A linfadenectomia retroperitoneal também pode ser indicada em casos raros de outros tipos de câncer que podem atingir os gânglios linfáticos do retroperitônio, como o câncer de rim, de bexiga, de próstata ou de ovário.

Como a Cirurgia é Realizada: Procedimento Passo a Passo

A linfadenectomia retroperitoneal é uma cirurgia complexa e delicada, que requer uma equipe médica especializada e experiente. 

A cirurgia pode ser realizada por dois métodos: o método aberto ou o método laparoscópico.

O método aberto é o mais tradicional e consiste em fazer uma incisão (corte) na região abdominal, que pode ser vertical (do umbigo até o púbis) ou transversal (na altura do umbigo). 

Através dessa incisão, o cirurgião acessa o retroperitônio e identifica e remove os gânglios linfáticos afetados pelo câncer. A incisão é fechada com pontos ou grampos.

O método laparoscópico é o mais moderno e consiste em fazer pequenas incisões na região abdominal, por onde são introduzidos uma câmera e instrumentos cirúrgicos. 

A câmera transmite as imagens do interior do abdômen para um monitor, que orienta o cirurgião na realização da cirurgia. O cirurgião usa os instrumentos para acessar o retroperitônio e identificar e remover os gânglios linfáticos afetados pelo câncer. As incisões são fechadas com pontos ou adesivos.

A escolha do método depende de vários fatores, como o tipo e o estágio do câncer testicular, a experiência do cirurgião, a disponibilidade de equipamentos e a preferência do paciente. 

Em geral, o método laparoscópico tem algumas vantagens sobre o método aberto, como menor tempo de cirurgia, menor sangramento, menor dor, menor risco de infecção, menor tempo de internação e recuperação mais rápida. 

No entanto, o método laparoscópico também tem algumas limitações, como maior custo, maior dificuldade técnica e maior risco de lesão de órgãos adjacentes.

A linfadenectomia retroperitoneal é realizada sob anestesia geral, ou seja, o paciente fica inconsciente durante todo o procedimento. 

O tempo de duração da cirurgia varia de acordo com o método utilizado e a extensão da remoção dos gânglios linfáticos. Em média, a cirurgia dura entre 2 e 4 horas.

Recuperação Pós-Operatória: Cuidados e Tempo de Recuperação

Após a realização da linfadenectomia retroperitoneal, o paciente é encaminhado para a sala de recuperação, onde é monitorado até acordar da anestesia. 

Em seguida, o paciente é levado para o quarto ou para a unidade de terapia intensiva (UTI), dependendo da sua condição clínica.

O paciente pode sentir dor, desconforto ou inchaço na região abdominal, que podem ser aliviados com analgésicos prescritos pelo médico. 

O paciente também pode ter um dreno na incisão cirúrgica, que serve para retirar o excesso de líquido ou sangue que possa se acumular no local. O dreno é removido após alguns dias, conforme a orientação médica.

O paciente deve seguir alguns cuidados pós-operatórios para evitar complicações e favorecer a cicatrização da incisão. Alguns desses cuidados são:

  • Manter a incisão limpa e seca, trocando os curativos conforme a orientação médica.
  • Evitar esforços físicos, como levantar pesos ou fazer exercícios intensos, por pelo menos 6 semanas após a cirurgia.
  • Evitar dirigir ou operar máquinas pesadas por pelo menos 2 semanas após a cirurgia.
  • Evitar fumar ou consumir bebidas alcoólicas por pelo menos 2 semanas após a cirurgia.
  • Evitar relações sexuais por pelo menos 4 semanas após a cirurgia.
  • Seguir uma dieta leve e equilibrada, rica em fibras e líquidos, para evitar constipação intestinal e facilitar a evacuação.
  • Usar roupas íntimas confortáveis e de algodão, que não comprimam os órgãos genitais.

O tempo de recuperação após a linfadenectomia retroperitoneal depende do método utilizado e da evolução clínica do paciente. Em geral, o tempo de internação varia entre 3 e 7 dias. O tempo de retorno às atividades normais varia entre 2 e 6 semanas.

Riscos e Complicações da Linfadenectomia

A linfadenectomia retroperitoneal é uma cirurgia segura e eficaz para o tratamento do câncer testicular, mas como toda cirurgia, ela pode apresentar alguns riscos e complicações. Algumas dessas complicações são:

  • Sangramento: é a perda excessiva de sangue durante ou após a cirurgia, que pode exigir transfusão ou nova intervenção cirúrgica.
  • Infecção: é a invasão de micro-organismos na incisão cirúrgica ou nos órgãos internos, que pode causar febre, vermelhidão, dor ou secreção. A infecção pode ser tratada com antibióticos ou drenagem.
  • Lesão de órgãos adjacentes: é o dano acidental a órgãos próximos ao retroperitônio, como o intestino, o rim, o ureter, a veia cava ou a aorta. A lesão de órgãos adjacentes pode causar dor, sangue na urina ou nas fezes, inchaço ou choque. A lesão de órgãos adjacentes pode requerer reparo cirúrgico ou remoção do órgão afetado.
  • Linfedema: é o acúmulo de linfa nos membros inferiores, causado pela obstrução ou remoção dos vasos linfáticos. O linfedema pode causar inchaço, dor, dificuldade de movimento ou infecção nos pés ou nas pernas. O linfedema pode ser tratado com meias elásticas, massagem, exercícios ou drenagem linfática.
  • Ejaculação retrógrada: é o fluxo reverso do sêmen para a bexiga durante o orgasmo, causado pela lesão dos nervos que controlam o esfíncter da bexiga. A ejaculação retrógrada pode causar infertilidade, mas não afeta a ereção ou o prazer sexual. A ejaculação retrógrada pode ser tratada com medicamentos ou técnicas de reprodução assistida.

A maioria dessas complicações são raras e podem ser prevenidas ou tratadas com medidas adequadas. O médico responsável pela cirurgia deve informar ao paciente sobre os riscos e as complicações da linfadenectomia retroperitoneal, bem como sobre as formas de prevenção e tratamento. 

O paciente deve seguir as orientações médicas e comunicar qualquer sintoma anormal que possa indicar uma complicação.

Perguntas Frequentes sobre a Linfadenectomia Retroperitoneal

A seguir, vamos responder algumas perguntas frequentes sobre a linfadenectomia retroperitoneal:

  • A linfadenectomia retroperitoneal é a única opção de tratamento para o câncer testicular? Não, a linfadenectomia retroperitoneal é uma das opções de tratamento para o câncer testicular, mas não é a única. Outras opções de tratamento são a quimioterapia, a radioterapia e a observação vigilante. A escolha do tratamento depende do tipo e do estágio do câncer testicular, das condições clínicas do paciente e da sua preferência.
  • A linfadenectomia retroperitoneal afeta a fertilidade? Sim, a linfadenectomia retroperitoneal pode afetar a fertilidade por causa da ejaculação retrógrada, que impede que o sêmen seja expelido pela uretra durante o orgasmo. No entanto, isso não significa que o paciente fique estéril, pois ele ainda produz espermatozoides e hormônios normalmente. O paciente pode recorrer a técnicas de reprodução assistida para ter filhos, como a coleta e o congelamento do sêmen antes da cirurgia, a recuperação do sêmen da urina após a cirurgia ou a fertilização in vitro.
  • A linfadenectomia retroperitoneal afeta a ereção? Não, a linfadenectomia retroperitoneal não afeta diretamente a ereção, pois ela não interfere na circulação sanguínea ou na inervação do pênis. No entanto, alguns fatores podem influenciar indiretamente na ereção após a cirurgia, como o estresse emocional, a dor pós-operatória, o uso de medicamentos ou o medo de falhar. Esses fatores podem ser superados com apoio psicológico, orientação médica e terapia sexual.
  • A linfadenectomia retroperitoneal afeta o prazer sexual? Não, a linfadenectomia retroperitoneal não afeta o prazer sexual, pois ela não interfere na sensibilidade ou na resposta orgástica do paciente. O paciente pode ter orgasmos normalmente após a cirurgia, mesmo que não haja ejaculação. O prazer sexual depende mais da intimidade, da comunicação e da cumplicidade entre o paciente e o seu parceiro ou parceira do que da presença ou ausência de sêmen.

Preparação para a Cirurgia: Exames, Diagnóstico e Expectativas

Antes de realizar a linfadenectomia retroperitoneal, o paciente deve passar por uma série de exames e avaliações para confirmar o diagnóstico, determinar o estágio e o tipo do câncer testicular, avaliar as condições clínicas do paciente e planejar a cirurgia. Alguns desses exames e avaliações são:

  • Exame físico: consiste na inspeção e na palpação dos testículos, do abdômen e dos gânglios linfáticos. O exame físico pode detectar alterações no tamanho, na forma ou na consistência dos testículos ou dos gânglios linfáticos.
  • Exame de sangue: consiste na coleta e na análise de uma amostra de sangue do paciente. O exame de sangue pode medir os níveis de marcadores tumorais, que são substâncias produzidas pelas células cancerígenas, como alfafetoproteína (AFP), gonadotrofina coriônica humana (hCG) e lactato desidrogenase (LDH). O exame de sangue também pode avaliar as funções hepática, renal e hematológica do paciente.
  • Ultrassonografia: consiste em usar ondas sonoras para gerar imagens dos órgãos internos do paciente. A ultrassonografia pode avaliar a estrutura e a vascularização dos testículos e dos gânglios linfáticos, bem como detectar a presença de massas ou cistos.
  • Tomografia computadorizada: consiste em usar raios X para gerar imagens tridimensionais dos órgãos internos do paciente. A tomografia computadorizada pode avaliar a extensão e a localização do câncer testicular, bem como detectar a presença de metástases em outros órgãos ou tecidos.
  • Ressonância magnética: consiste em usar um campo magnético para gerar imagens detalhadas dos órgãos internos do paciente. A ressonância magnética pode complementar a tomografia computadorizada na avaliação da extensão e da localização do câncer testicular, bem como detectar a presença de metástases em outros órgãos ou tecidos.
  • Biópsia: consiste em retirar uma pequena amostra de tecido do testículo ou dos gânglios linfáticos para análise microscópica. A biópsia pode confirmar o diagnóstico de câncer testicular, bem como determinar o tipo e o grau de agressividade do tumor.

Após a realização dos exames e das avaliações, o médico responsável pela cirurgia deve informar ao paciente sobre os resultados, o plano cirúrgico, os riscos e as complicações da linfadenectomia retroperitoneal, bem como sobre as expectativas de cura e de sobrevida. 

O médico também deve esclarecer as dúvidas e os receios do paciente, bem como obter o seu consentimento informado para a realização da cirurgia.

O paciente deve seguir algumas orientações pré-operatórias para se preparar para a cirurgia. Algumas dessas orientações são:

  • Jejum: consiste em não comer ou beber nada por pelo menos 8 horas antes da cirurgia, para evitar complicações anestésicas ou digestivas.
  • Medicação: consiste em suspender ou ajustar o uso de alguns medicamentos que possam interferir na coagulação sanguínea ou na anestesia, como anticoagulantes, anti-inflamatórios ou antidepressivos.
  • Higiene: consiste em tomar banho e raspar os pelos da região abdominal e genital, para evitar infecções ou irritações na incisão cirúrgica.
  • Transporte: consiste em providenciar um meio de transporte seguro e confortável para ir e voltar do hospital, pois o paciente não poderá dirigir após a cirurgia.
  • Acompanhante: consiste em levar um familiar ou amigo para acompanhar o paciente no hospital, pois ele precisará de apoio emocional e prático antes e depois da cirurgia.

Alternativas e Opções de Tratamento

A linfadenectomia retroperitoneal é uma das opções de tratamento para o câncer testicular, mas não é a única. 

O paciente deve discutir com o seu médico as alternativas e opções de tratamento disponíveis, considerando os benefícios, os riscos e as preferências pessoais de cada caso. Algumas dessas alternativas e opções são:

  • Quimioterapia: consiste no uso de medicamentos que atuam no organismo todo, matando as células cancerígenas ou impedindo que elas se multipliquem. A quimioterapia pode ser usada antes ou depois da cirurgia, dependendo do tipo e do estágio do câncer testicular. A quimioterapia pode causar efeitos colaterais, como náusea, vômito, perda de cabelo, fadiga, infecção ou infertilidade.
  • Radioterapia: consiste no uso de radiação de alta energia para destruir as células cancerígenas ou impedir que elas se multipliquem. A radioterapia pode ser usada antes ou depois da cirurgia, dependendo do tipo e do estágio do câncer testicular. A radioterapia pode causar efeitos colaterais, como vermelhidão, irritação, queimação ou infertilidade na área irradiada.
  • Observação vigilante: consiste em monitorar o paciente periodicamente com exames clínicos e laboratoriais, sem realizar nenhum tratamento específico. A observação vigilante pode ser usada em casos de câncer testicular em estágio inicial, com baixo risco de recidiva ou metástase. A observação vigilante pode evitar os efeitos colaterais dos tratamentos invasivos, mas requer disciplina e atenção do paciente.

Considerações finais

A linfadenectomia retroperitoneal é uma cirurgia que pode ser indicada para o tratamento do câncer testicular, visando remover os gânglios linfáticos afetados pela doença. A cirurgia pode ser realizada por dois métodos: o aberto ou o laparoscópico. 

A cirurgia requer uma preparação pré-operatória e um cuidado pós-operatório adequados, para evitar complicações e favorecer a recuperação. A cirurgia pode afetar a fertilidade, mas não a ereção ou o prazer sexual do paciente.

Gostou? Compartilha!

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on linkedin
Share on email

Veja Outros Blogs

Todos os direitos reservados® 2021